​Antônio Callado Cadeira n° 22
Fundador ​Luiz Heitor
     
Acadêmico atual
Carioca, nascido em 11 de julho de 1848, Joaquim Antônio da Silva Callado começou os estudos musicais pela mão do pai, que era mestre da Banda Sociedade União de Artistas. Estudou posteriormente com Henrique Alves de Mesquita, pouco antes do mesmo partir para a Europa como bolsista. Aos 15 anos apresentou-se pela primeira vez em concerto. Sua composição Querosene (1863) é uma das primeiras de suas obras conhecidas. Em 1866 realizou concerto no Teatro Ginásio Dramático, com a presença da Família Imperial. Sua composição que primeiro fez sucesso foi uma quadrilha chamada Carnaval (1867), ano em que perdeu seu pai, aos 52 anos. Sua primeira polca, chamada Querida por todos (1869) foi dedicada à Chiquinha Gonzaga. Seu Lundu Característico (1871) fez muito sucesso e lhe valeu a indicação para o cargo de professor de flauta no Conservatório Imperial de Música, assim como do Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro.

Criou, por volta de 1875, um conjunto que se tornou padrão na música instrumental carioca e considerado o primeiro grupo de choro, composto por dois violões, uma flauta e um cavaquinho. Foi um dos maiores flautistas brasileiro de seu tempo e rivalizava com o belga Matheus André Reichert, que havia se estabelecido no Rio de Janeiro em 1859. Em 1879 Callado foi condecorado com a Ordem da Rosa, no grau de Comendador, a mais alta condecoração do Império. Sua peça intitulada Flor Amorosa é até hoje tocada e recebeu posteriormente letra de Catulo da Paixão Cearense. Callado morreu no Rio de Janeiro, vítima de meningite, em 20 de março de 1880.
 
Rua da Lapa, 120/12º andar - Lapa - 20021-180 - Rio de Janeiro - RJ / Brasil
Telefones (55) (21) 2292-5845 / 2221-0277 / 2242-6693
Copyright 2015 - Academia Brasileira de Música - www.abmusica.com.br - Todos os Direitos Reservados