​Alberto Nepomuceno Cadeira n° 30
Fundador ​João Batista Julião
     
1° Sucessor 2° Sucessor Acadêmico atual

Compositor, organista, pianista e professor, Alberto Nepomuceno nasceu em Fortaleza, Ceará, em 06 de julho de 1864. Em 1872 se transferiu para Recife, onde iniciou os estudos de piano e violino. Em 1880 se tornou aluno de harmonia de Euclides Fonseca. No ano seguinte conheceu Tobias Barreto, que o iniciou nos estudos de filosofia e língua alemã. Torna-se republicano e abolicionista. Retornou ao Ceará em 1884. No ano seguinte partiu para o Rio de Janeiro. Residindo com a família Bernardelli, passa a estudar com Miguel Cardoso e revela suas primeiras composições. Apresentou-se como pianista no Clube Beethoven e realizou turnê de concertos com o violoncelista Frederico Nascimento.

Em 1888 partiu para a Europa matriculando-se no Liceo Musicale Santa Cecília de Roma, onde estudou harmonia com Eugenio Terziani e Cesare De Sanctis e piano com Giovanni Sgambatti. Participou, em 1890, do concurso que, após a Proclamação da República, iria escolher o novo hino nacional brasileiro. Obteve o terceiro lugar e uma pensão do governo que permitiu ampliar sua estada na Europa. Segui para a Alemanha, onde estudou na Academia Meister Schulle e no Conservatório Stern de Berlim com Heinrich Herzogenberg, Theodor Lechetitzky, Arnó Kleffel e Max Bruch.

Na Noruega contraiu matrimônio com Walborg Bang, sua colega de conservatório, e hospedou-se na casa de Edvard Grieg. Ao retornar para a Alemanha regeu a Orquestra Filarmônica de Berlim em suas provas finais, apresentando o Scherzo, para orquestra e a Suíte Antiga, para cordas.

Retornou ao Brasil em 1895, após estada em Paris para estudos na Schola Cantorum, com Guilmant. Ao chegar assumiu a cadeira de professor de órgão do Instituto Nacional de Música, que viria a dirigir em dois períodos, o primeiro entre 1902 e 1903, após a morte de Leopoldo Miguéz, e o segundo entre 1906 e 1916. Foi regente da Sociedade de Concertos Populares e diretor musical dos concertos da Exposição Nacional da Praia Vermelha de 1908. Em 1910 empreendeu viagem à Europa, regendo concertos em Bruxelas, Genebra e Paris, onde conheceu Debussy. Em 1913 estreou sua ópera Abul no Teatro Coliseo de Buenos Aires, apresentada também em Rosário e Montevidéu no mesmo ano e em 1915 no Teatro Constanzi, de Roma.

De sua obra se destacam as composições para piano e as canções, especialmente as escritas em português, motivo de intenso debate com o crítico Oscar Guanabarino nos jornais cariocas. De sua obra orquestral podemos destacar a Série Brasileira, de 1891, onde pela primeira vez aparece um instrumento típico brasileiro, o reco-reco, no famoso Batuque. Outras obras importantes são: o Trio para violino, violoncelo e piano, (1916), os três quartetos de cordas, escritos entre 1890 e 1891, a Sinfonia em sol menor, escrita em Berlim em 1894; a abertura O Garatuja (1904), as Seis Valsas Humorísticas, para piano e orquestra (1902), a Serenata para orquestra de cordas (1906) e o episódio lírico Artemis (1898).

Faleceu no Rio de Janeiro, em 16 de outubro de 1920.
Rua da Lapa, 120/12º andar - Lapa - 20021-180 - Rio de Janeiro - RJ / Brasil
Telefones (55) (21) 2292-5845 / 2221-0277 / 2242-6693
Copyright 2015 - Academia Brasileira de Música - www.abmusica.com.br - Todos os Direitos Reservados