José de Anchieta Cadeira n° 1
Fundador Heitor Villa-Lobos
     
1° Sucessor Acadêmico atual


José de Anchieta nasceu nas Ilhas Canárias, em 1534. O jovem missionário da Companhia de Jesus, com 19 anos de idade, ao chegar ao Brasil, dedicou-se à catequese, usando, como recurso pedagógico, o teatro e a música. Pode ser apontado como o precursor da educação musical e do teatro, no Brasil. Por esta razão, Villa-Lobos escolheu seu nome como o patrono da cadeira nº1 da Academia Brasileira de Música.

Poeta e dramaturgo, Anchieta escrevia seus textos em latim, português, espanhol e tupi. Foi autor de uma gramática da língua geral, podendo, por isso, ser considerado, também, o precursor da linguística em nosso país. Seus textos informam acerca da fauna, da flora e do povo da nova terra. Seus sermões e biografias de padres jesuítas foram outras contribuições deste ilustre religioso, pedagogo, artista e cientista dos primórdios da história do Brasil.

Em 1563, Anchieta, em sua missão de negociar com os Tamoios confederados contra os portugueses, tornou-se refém dos índios, ocasião em que compôs, em latim, um poema dedicado à Virgem, segundo a tradição, nas areias da praia de Iperoígue, em Ubatuba, São Paulo. Posteriormente, esse poema teria sido reproduzido no papel. Villa-Lobos usou parte do texto (Beata Virgine) em sua 10ª Sinfonia, uma "sinfonia ameríndia com coros", intitulada Sumé pater patrium, escrita em 1952, para comemorar o IV Centenário da cidade de São Paulo. Anchieta morreu em 1597, em Reritiba, hoje Anchieta, Espírito Santo. Foi canonizado em abril de 2014 pelo Papa Francisco.
 
Rua da Lapa, 120/12º andar - Lapa - 20021-180 - Rio de Janeiro - RJ / Brasil
Telefones (55) (21) 2292-5845 / 2221-0277 / 2242-6693
Copyright 2015 - Academia Brasileira de Música - www.abmusica.com.br - Todos os Direitos Reservados